logo extrafarma

A versão deste navegador nao é compatível com este site.
Por gentileza, atualize seu navegador aqui
Ou baixe uma das opções abaixo:
Google Chrome , Firefox.

Assuntos

Xô gripes e resfriados!

Dicas simples para evitar o contágio e possíveis complicações

imagem Xô gripes e resfriados!

Imagine a seguinte situação: você está à espera daquela festa especial e, exatamente no dia, acorda constipado, com dor no corpo, coriza e sentindo-se febril. O fato é que ninguém está imune à gripe e ao resfriado. E, mesmo com medidas preventivas, como a ingestão constante de vitamina C, vez ou outra surgem esses sintomas. Nessas horas, a maioria recorre a um antigripal ou a medidas caseiras, como chás e até mesmo escalda-pés.

Compostos por diversas propriedades em ação conjunta, os antigripais são formulados à base de analgésicos, antitérmicos, anti-inflamatórios, descongestionantes nasais, antialérgicos e antitússicos, entre outros. Agem no organismo combatendo os sintomas e ajudam a amenizar o quadro clínico. Porém, antes de sair correndo para comprar um ou tomar aquele que o colega do trabalho indicou, é preciso ficar atento se os sintomas apresentados referem-se a um resfriado comum ou a uma gripe, principalmente, se a intenção é se automedicar, para não agravar o problema ao invés de resolver. Vale lembrar que em ambos os casos, apenas o médico pode definir o tratamento adequado para cada pessoa. Conheça as diferenças!

Resfriado ou gripe?

O resfriado acomete as vias respiratórias superiores e é uma infecção viral, com mais de 200 tipos diferentes de vírus, sendo os mais comuns facilmente transmissíveis. O modo de contágio acontece pelo contato físico ou pelo ar, quando o vírus entra no organismo pela boca, nariz e olhos. Geralmente, os sintomas surgem cerca de dois ou três dias após o contato com o vírus, ocasionando dor no corpo, cansaço, espirros, coriza, dor ou irritabilidade na garganta, tosse, lacrimejamento, podendo ocorrer ligeira febre baixa. O diagnóstico é feito de acordo com os sintomas e o tratamento ocorre apenas para aliviá-los, normalmente com o uso de antitérmicos e analgésicos, como a dipirona e o paracetamol.

Na gripe, o modo de transmissão apresenta-se praticamente o mesmo do resfriado. Porém, a gripe mostra-se bem mais grave, causada pelo vírus influenza. Assim como o resfriado, pode surgir em qualquer época do ano, mas costuma ocorrer com mais frequência durante o inverno ou em períodos mais frios, sendo denominada gripe sazonal. Na maioria das vezes, a causa das infecções ocorre pelo contágio com o vírus da influenza tipos A e B. Costuma manifestar os sintomas entre três e quatro dias após o contágio com o vírus e pode inicialmente provocar febre alta, acima de 38 °C, acompanhada de fraqueza, mal-estar, dores de cabeça e no corpo, podendo causar ainda coriza, dor de garganta e tosse, primeiramente seca.

O diagnóstico, basicamente, é clínico, porém, em casos específicos, torna-se necessária a confirmação por meio de exames laboratoriais. Na maioria dos casos, a medicação assemelha-se ao tratamento do resfriado, à base de antitérmicos, analgésicos, hidratação e um bom repouso. Em casos distintos, podem ser prescritos medicamentos antivirais que combatem exclusivamente o vírus, com eficácia garantida somente se forem administrados dentro das primeiras 48 horas após o aparecimento dos sintomas. Há, no entanto, situações ainda mais graves decorrentes da gripe, como a pneumonia viral ou bacteriana, dentre outras complicações.

Prevenir para não remediar

Existem medidas bem simples que ajudam a prevenir o contágio de gripes e resfriados. De acordo com o infectologista Irineu Maia, a higiene das mãos, no dia a dia, torna-se fundamental. “Lavar as mãos com sabão ou sabonete e depois passar álcool são importantes medidas para evitar o contágio com o vírus, pois, no caso das doenças respiratórias virais, a mão é o mais importante meio de contaminação do que a própria via respiratória”, alerta.

Confira as principais recomendações do especialista:

• Limite seu contato com pessoas que apresentem os sintomas e evite locais fechados com grandes aglomerações.

• Ao assoar o nariz, prefira lenços de papel descartáveis e cubra o nariz e a boca quando for espirrar ou tossir.

• Lave as mãos frequentemente com água e sabão e utilize álcool gel.

• Evite esfregar o nariz e depois levar a mão à boca ou aos olhos.

• Prefira alimentos ricos em vitamina C e beba bastante líquido.

• Não compartilhe objetos de uso pessoal.

• Use soro fisiológico para lavar e hidratar as narinas.

No caso da gripe, há ainda outro método de prevenção: as vacinas, que devem ser tomadas anualmente. Elas evitam a contaminação, porém, em alguns casos, o vírus pode manifestar-se. Contudo, a reação ocorre com menos intensidade e menor risco de complicações.

A importância do repouso

Enquanto o corpo se encarrega de eliminar a infecção, além do tratamento com medicações, o repouso mostra-se essencial para a recuperação do indivíduo, permitindo que o organismo use toda a sua energia para combater o vírus. O médico explica que realizar esforços durante a manifestação da doença pode debilitar as defesas do organismo e facilitar possíveis complicações. “O repouso torna-se fundamental na recuperação de todo quadro infeccioso, principalmente, em se tratando da gripe. O recomendável é repouso, uso de medicação sintomática e hidratação”, orienta Maia.

fique longe de gripes e resfriados

Evite a contaminação com medidas simples

imagem fique longe de gripes e resfriados

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), as infecções respiratórias são a maior causa de consultas relacionadas aos serviços prestados pelos departamentos de saúde, principalmente, entre crianças até cinco anos. Segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), sobre a Pesquisa Nacional de Saúde, de junho de 2015, os incômodos e o mal-estar provocados por gripes e resfriados são os principais motivos que levam os funcionários a se ausentarem ou faltarem no trabalho.

Apesar dos sintomas iniciais se confundirem, os vírus que causam as doenças são bem diferentes. “Na gripe, os vírus do tipo influenza são constituídos pelos gêneros A, B e C, que são diferentes entre si na produção da sintomatologia. No resfriado, os agentes virais mais comuns são os rinovírus, adenovírus, parainfluenza, vírus sincicial respiratório (VSR), entre outros”, explica a especialista em infectologia e epidemiologia Raquel Guimarães, de Alagoas. Segundo a médica, no resfriado os principais sintomas são coriza, espirro e tosse, já na gripe o paciente apresenta, além dos mesmos sintomas do resfriado, febre alta, dor de garganta e dores musculares. 

Especialistas informam que o resfriado tem sintomas menos intensos que duram um tempo menor, enquanto que as gripes têm potencial mais agressivo, podendo deixar o paciente de cama e impossibilitado de realizar as suas atividades diárias. Em geral, tanto a gripe quanto o resfriado são combatidos pelo próprio organismo. Independente dos sintomas e da gravidade da doença, o importante é nunca se automedicar e procurar ajuda médica. A automedicação pode mascarar a evolução de infecções importantes, com risco de evoluir para estágios mais graves. De acordo com a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, na maior parte dos casos, os antibióticos não são recomendados. Os médicos costumam indicar medicamentos sintomáticos, ou seja, que aliviam alguns dos sintomas da doença.

Raio X da Gripe

Os vírus da gripe costumam atingir nariz, garganta, pulmões e ouvidos. “É uma doença aguda, infecciosa, que pode ser periódica, variando em cada região do Brasil, sendo, portanto, sazonal. Ela pode evoluir para pneumonia e, mais raramente, para quadros neurológicos. Em pessoas idosas, já com alguma doença, pode haver complicações maiores”, enfatiza Helena Brígido, mestre em medicina tropical, infectologista e epidemiologista docente da Universidade Federal do Pará (UFPA).

O aposentado Antonio Ruiz, 89 anos, conta que com o passar dos anos, as gripes chegam cada vez mais fortes, a ponto de deixá-lo acamado e sem condições de praticar suas atividades diárias por algumas vezes. Ele ainda afirma que o incômodo maior é a moleza no corpo, o cansaço e a tosse. “Tenho muitas crises de tosse e, por mais água que eu tome, parece que nunca é suficiente para hidratar a região.” Ele acrescenta que, normalmente, os sintomas costumam passar por volta do sétimo dia. Segundo Ruiz, por mais que evite o contato com as pessoas que apresentam os sintomas, ele não escapa de ter a doença pelo menos duas vezes no ano.

Isso ocorre, segundo Helena, porque os sintomas da gripe são variados e podem durar de sete a 10 dias. O paciente apresenta febre alta ou moderada, dor nas articulações e músculos, dor de garganta sem pus, tosse seca ou produtiva, dor de cabeça, nariz entupido, espirros e coriza. As crianças podem ter ainda vômito e diarreia. “A doença pode desenvolver sintomas mais intensos ou ter uma duração maior quando a pessoa já tem algum problema respiratório, como rinite, bronquite, asma brônquica, tuberculose, entre outros”, afirma.

Raio X do resfriado

Este se caracteriza por uma infecção do trato respiratório superior, que afeta, principalmente, o nariz e a garganta. A doença torna-se contagiosa apenas nos três primeiros dias. “Os sintomas do resfriado são mais brandos, geralmente duram em média cinco dias e se caracterizam por febre baixa, coriza, espirros, obstrução nasal, tosse seca e coceira na garganta”, informa Helena. Casos de complicação são bem mais difíceis de ocorrer, mas pode haver o aumento da asma, assim como o surgimento de infecções causadas por bactérias, como a sinusite.

Atenção às crianças e bebês

Os pequenos são mais suscetíveis aos vírus da gripe e resfriado, pois ainda não desenvolveram resistência adequada e, geralmente, não têm os hábitos higiênicos de lavar as mãos e de cobrir a boca e o nariz sempre que espirrarem ou tossirem para não propagarem doenças. Outro ponto é o fato de muitas crianças passarem o dia todo em creches e escolas, em ambientes fechados, sem ventilação.

“A partir do momento que coloquei minha filha na escola, no ano passado, os episódios de resfriado foram recorrentes. A rinite e a adenoide contribuíram para prejudicar a respiração dela”, informa a jornalista Francine Taís de Almeida, 32 anos, mãe da pequena Heloíse Almeida Simoni Guilhermino, de três anos. “Eles duram em torno de três dias, sempre com sintomas leves, como nariz escorrendo, espirros e temperatura por volta de 37.5 graus”, diz ela. Com relação à gripe, Francine explica que as crises são mais raras, mas que quando acontecem deixam a filha mais quieta, abatida, com febre e dor de garganta.

Como se prevenir do vírus?

  • Alimente-se bem e beba cerca de 2 litros de água por dia. Isso ajuda a manter o bom funcionamento do organismo e a imunidade sempre em alta;
  • Mantenha o nariz limpo e úmido. Aplique soro fisiológico nas narinas até três vezes ao dia;
  • Evite ambientes fechados, o que favorece a contaminação por vírus e bactéria;
  • Lave as mãos com frequência ou tenha sempre na bolsa álcool em gel, que possui ação antisséptica.

O que é mito e o que é verdade

Dormir com o cabelo molhado ou sair do banho quente em um dia muito frio causa gripes e resfriados?

Não há comprovação científica que o choque térmico seja responsável pelas doenças. Até porque tanto a gripe quanto resfriado são transmitidos se o indivíduo tiver contato com o vírus.

A hidratação constante ajuda a melhorar o quadro?

Além de auxiliar no controle da febre, tomar água ajuda a reduzir a coriza, a tosse e o nariz congestionado.

O resfriado pode se transformar em gripe?

Essa é uma das lendas mais antigas sobre a gripe e o resfriado, uma vez que cada uma das infecções é transmitida por vírus específicos.

O vírus da gripe é considerado mutante, por isso, não existe defesa permanente contra ele?

Por isso as vacinas seguem um protocolo que precisam ser sempre alteradas para se tornarem eficazes contra esse vírus.

É possível se contaminar com o vírus da gripe por meio da vacinação?

De forma alguma, pois o vírus utilizado na vacina já está morto.

Assuntos