logo extrafarma

A versão deste navegador nao é compatível com este site.
Por gentileza, atualize seu navegador aqui
Ou baixe uma das opções abaixo:
Google Chrome , Firefox.

Assuntos

aliados da saúde

Conheça algumas vantagens da suplementação alimentar

imagem aliados da saúde

Que os brasileiros cuidam da estética e da saúde, todo mundo sabe! Não à toa, o País dispara no ranking de investimento nestes setores. A grande surpresa agora foi a comprovação de que o Brasil também é apaixonado pela suplementação alimentar. Uma pesquisa inédita comprovou que 54% dos brasileiros tomam algum tipo de suplemento alimentar. O índice é quase igual ao dos Estados Unidos, onde 68% das pessoas afirmam utilizá-los.

A pesquisa foi encomendada pela Associação Brasileira da Indústria de Alimentos para Fins Especiais e Congêneres (Abiad), Associação Brasileira das Empresas do Setor Fitoterápico, Suplemento Alimentar e de Promoção da Saúde (Abifisa) e Associação Brasileira das Empresas de Produtos Nutricionais (Abenutri). O estudo revelou que entre os compostos mais consumidos estão: ácidos graxos (ômega 3),
aminoácidos (BCAA), minerais (cálcio), óleos (óleo de fígado de bacalhau), plantas (goji berry), proteínas (whey protein), vitaminas (multivitamínicos), entre outros.

De acordo com a nutricionista Priscilla Peixoto, os suplementos alimentares foram criados para eliminar as deficiências existentes na alimentação e também podem ser necessários, dependendo do caso, para melhorar o desempenho esportivo. Mas lembra de que “qualquer pessoa, antes de lançar mão da suplementação, deve procurar um nutricionista, que é o profissional capacitado para avaliar se há mesmo necessidade de consumo e quais produtos devem ser utilizados”.

Orientação é essencial

Camila Gomes, nutricionista clínica e esportiva, afirma que “suplementos alimentares, quando utilizados de forma correta, sob orientação de um profissional habilitado, não trazem malefícios à saúde”. No entanto, ela alerta para a falta de orientação adequada e uso exagerado do produto.

“Existem algumas reações adversas que são possíveis com o uso indevido da suplementação. As mais graves são disfunções hepáticas, renais e arritmia. Os danos mais conhecidos são suor excessivo, redução do apetite, aceleração dos batimentos cardíacos, aumento da pressão arterial, insônia e alteração na percepção da dor e do cansaço, que pode acarretar lesões.” 

Benefícios da suplementação

  • Melhorar o desempenho físico;
  • Suprir carências nutricionais;
  • Ajudar no ganho de massa muscular;
  • Auxiliar no controle do peso;
  • Estimular a renovação celular;
  • Atuar na fixação de cálcio nos ossos;
  • Promover a recuperação da musculatura.

Conheça os tipos mais consumidos

  • Ácidos graxos (ômega 3): nada mais é que um óleo extraído da gordura de peixes de águas profundas. Entre suas várias funções, destacam-se a de anti-inflamatório, produtor de elastina, e como protetor cardíaco e dos neurônios;
  • Aminoácidos (BCAA): são as menores partes das proteínas. Neste grupo estão os BCAA, ou seja, “aminoácidos de cadeia ramificada”, nome dado por sua estrutura química. Eles são utilizados na prevenção da fadiga neural e na recuperação da musculatura após os exercícios;
  • Minerais (cálcio): apresenta duas funções: construção das partes duras do corpo (ossos, dentes e unhas) e participa da contração muscular. Sua suplementação pode ter ação preventiva da osteoporose e na melhora de desempenho esportivo;
  • Óleos (óleo de fígado de bacalhau): são fontes ricas em ômega 3 e  também contêm vitaminas A e D, que atuam na fixação do cálcio nos ossos;
  • Plantas: a do tipo goji berry tem origem asiática, é rica em flavonoides, antioxidantes e vitaminas C e E em grande concentração. Entrou no mercado como um potente emagrecedor, por estimular as funções metabólicas.
  • Proteínas (whey protein): trata-se de um mix de proteínas extraídas do soro do leite, ricas em aminoácidos essenciais de fácil absorção. Podem auxiliar no controle do peso e apetite, estimular a renovação celular, melhorar a recuperação após a atividade física e otimizar o ganho de massa muscular;
  • Vitaminas (multivitamínicos): são encontradas em todos os alimentos de origem natural, principalmente nas frutas e vegetais, porém, devido à dificuldade de avaliar o quanto é ingerido por dia, os polivitamínicos são incorporados ao plano alimentar para garantir essas quantidades. Como algumas vitaminas podem interferir na absorção de outras, a indicação para consumir o polivitamínico é na forma “quelada”, processo industrial que blinda as vitaminas para que sejam todas aproveitadas.

acabe com o mal pela raiz

Uma das queixas mais comuns nos consultórios dermatológicos é a queda de cabelo. Dentro do que é considerado normal, homens e mulheres podem perder até 100 fios por dia. Quando o couro cabeludo dá sinais de que não está saudável, a dica é procurar um especialista para que ele possa verificar a causa do descontrole e indicar o tratamento correto. A queda de cabelo ocorre por diversos motivos: genética, estresse, anemia, doenças relacionadas à tireoide, tratamentos oncológicos, uso de determinados tipos de medicamentos, pós-parto, dieta inadequada, entre outros. Além do tratamento indicado pelo profissional, é importante manter uma alimentação balanceada e tomar alguns cuidados para não acentuar a queda, como não lavar os cabelos com água muito quente, evitar prender ou dormir com as madeixas molhadas e usar diariamente o secador e chapinha.

dossiê dos desodorantes

imagem dossiê dos desodorantes

Se você tem problemas com transpiração excessiva e não possui nenhum problema de saúde comprovado, saiba que a causa do desconforto pode ser culpa do seu desodorante. Parece muito simples, mas escolher o desodorante é mais complexo do que se imagina. Existem dois tipos de formas de ação do desodorante: o bacteriostático, que impede o crescimento de bactérias, e o antiperspirante e bacteriostático, que além de blindar o local contra as bactérias ainda controla temporariamente o suor e o mau cheiro. Ele é indicado para quem tem transpiração constante. Com relação à forma cosmética, os desodorantes podem ser encontrados em spray, aerossol, roll-on e cremosos. A melhor escolha é aquela baseada na praticidade e conforto. Para as peles mais sensíveis, a indicação são os produtos com a fórmula sem álcool e hipoalergênicos ou dermatologicamente testados, que passaram por testes com a supervisão de dermatologistas.

doce veneno

O consumo de bebidas industrializadas com adição de açúcar está diretamente relacionado ao aumento da gordura visceral, que se concentra no abdome, ao diabetes e às doenças cardíacas. Esta foi a conclusão do estudo realizado pela Framingham – cidade selecionada pelo governo americano para ser um polo de estudos cardiovasculares – publicado na revista científica “Circulation”. Participaram da pesquisa 1.003 voluntários com idade média de 45 anos, durante seis anos. Além de responderem questionários referentes ao consumo de bebidas, eles foram submetidos a exames de imagem, responsáveis por detectar a quantidade de gordura presente no organismo. Ficou comprovado que aqueles que ingeriram bebidas açucaradas no tempo da análise tiveram um aumento de 852 centímetros cúbicos de gordura visceral.

o ápice dos hormônios femininos

Descubra o que é mito ou verdade sobre a tensão pré-menstrual (TPM)

Alguns Alimentos podem reduzir os sintomas da TPM?
Verdade: o ideal é evitar aqueles que têm o poder de aumentar a irritabilidade, como bebidas à base de cafeína e comidas gordurosas, como o chocolate;
Os sintomas da TPM podem durar o mês inteiro?
Mito: o distúrbio ocorre de 10 a 14 dias antes da menstruação, desaparecendo após este período;
Atividades físicas ajudam a reduzir os sintomas?
Verdade: além de prevenir as cólicas e as dores no corpo, elas são importantes para relaxar e liberar endorfina e serotonina, considerados hormônios da felicidade.
Todas as mulheres sofrem com o distúrbio?
Mito: apesar de menos comum, algumas sortudas não apresentam nenhum desconforto.

controlando o diabetes

Ter uma dieta balanceada é essencial para manter a qualidade de vida

imagem controlando o diabetes

A Pesquisa Nacional de Saúde, realizada pelo Ministério da Saúde em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que o diabetes já atinge nove milhões de brasileiros, totalizando 6,2% da população adulta.

Caracterizada pela alta concentração de glicose no sangue, o diabetes é causado por “uma deficiência de produção de insulina ou alteração no transporte de glicose para as células”, explica o nutrólogo e presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran), Durval Ribas Filho. Entre os muitos cuidados, quem sofre com o diabetes não pode deixar de fazer atividade física, hidratar-se, nem se descuidar da alimentação. “A dieta recomendada deve conter frutas, verduras, legumes e alimentos com baixo índice glicêmico e fibras, como os integrais”, informa Ribas Filho.

Na berlinda

É preciso ter cautela ao comer alimentos ricos em carboidratos, uma vez que eles são transformados em glicose no organismo. Apesar disso, Ribas filho explica que o ser humano precisa do carboidrato e que eles não podem ser retirados da dieta, pois são fontes de energia. A Associação Americana de Diabetes recomenda a ingestão de 50% de carboidratos, baseado nas necessidades energéticas totais. Os diabéticos devem evitar frituras, doces em geral, biscoito e refrigerante, vegetais com grande concentração de amido, como milho, batata, ervilha etc.

Para evitar as crises de hiperglicemia (excesso de açúcar no sangue) ou hipoglicemia (taxas baixas de glicose no sangue), fracionar as refeições faz toda a diferença. As porções devem ser menores e variadas, e consumidas a cada três horas.

Alimentos aliados

  • Peixes: sardinha, cavalinha e salmão possuem ômega 3 (um tipo de gordura), relacionado à redução da glicose e da diabetes tipo 2;
  • Amendôas: ajuda na reposição do magnésio, que pode ser perdido após aumento elevado da glicose;
  • Aveia: suas fibras solúveis reduzem a velocidade com que a glicose é absorvida;
  • Brócolis: contém cromo em sua composição, mineral que auxilia no controle da glicemia;
  • Linhaça e chia: ricas em fibras, elas reduzem o risco de haver picos de glicose e aumento da insulina;
  • Outros alimentos: nozes, queijo branco, frutas cítricas, como a laranja e a acerola, e saladas de todos os gêneros. As frutas não são proibidas, mas é importante escolher as que contêm menos açúcar, como o caso do abacate, maçã, damasco seco, cereja etc.
Assuntos